Tipos de avaliação

Início / Manual / Avaliação da Aprendizagem / Tipos

A avaliação é um processo de produção de informações sobre o processo de aprendizagem. Em momentos diferentes, a avaliação dá-nos informações de tipo diverso. A aprendizagem, por outro lado, é um processo dinâmico em que os sujeitos com capacidades diferentes são motivados a desenvolver determinados comportamentos.

Na sua função de regular o processo de aprendizagem é a avaliação que fornece os dados para o formador adequar as suas práticas aos resultados obtidos ao longo do processo. Assim iremos falar de diferentes tipos de avaliação consoante a sua finalidade e o momento da sua aplicação ao processo.

Avaliação diagnóstica

A avaliação diagnóstica destina-se a verificar se os formandos estão na posse de conhecimentos, aptidões ou capacidades necessárias à aprendizagem da unidade ou módulo seguinte.

Este tipo de avaliação é essencial na definição de um perfil de entrada em qualquer programa de formação e na seleção de candidatos à formação.

Os formadores devem também aplicar instrumentos de avaliação diagnóstica para se certificarem da adequação das estratégias ao grupo, como motivação dos formandos e, ainda, para se inteirarem das aprendizagens já possuídas por estes.

A formação ganha em eficácia se cada formador planear as sessões com base no conhecimento real do nível de aprendizagens e experiências dominadas pelos seus formandos e não insistir em temas já versados.

É fundamental definir para cada módulo ou tema os pré-requisitos necessários.

Com base nos objetivos e nos conteúdos de formação o formador define os pré-requisitos do módulo e elabora testes para avaliar da posse destes pré-requisitos.

Os testes diagnósticos incidem sobre um núcleo restrito de objetivos, sobre os quais se elaboram várias perguntas. São testes de análise em profundidade.

Normalmente o formador elabora itens sobre o módulo novo num teste diagnóstico, com o fim já referido. Os testes de diagnóstico não são alvo de classificação.

A avaliação dos pré-requisitos é a forma de avaliação diagnóstica através da qual se verifica se o formando possui as aprendizagens anteriores necessárias para que novas aprendizagens tenham lugar. Um pré-requisito é uma aprendizagem anterior requerida e imprescindível para a nova aprendizagem.

Topo | Índice

Avaliação formativa

A avaliação formativa visa a retroalimentação de todo o processo de formação.

A avaliação formativa realiza-se ao longo de todo o processo ou ação, em todas as situações de aprendizagem, sobre cada objetivo. A avaliação formativa identifica situações de aprendizagens mal conseguidas, informa sobre medidas corretivas a tomar. Incide, como o tipo de avaliação anterior, em cada objetivo de formação.

Os testes formativos são semelhantes aos de diagnóstico. Um teste formativo incide num número reduzido de objetivos, à volta dos quais se elaboram várias perguntas.

Os formandos devem ser informados ao longo da aprendizagem dos objetivos a atingir. Para tal, o formador constrói dois instrumentos complementares:

O perfil de aptidões do formando

  • registo dos objectivos da unidade;
  • nível de consecução desejável;
  • conteúdos e provas de avaliação a realizar durante a unidade.

O formando registará no documento os objetivos já atingidos, o que lhe permite orientar melhor os seus esforços na aprendizagem.

O formador vai registando num documento semelhante ao do formando os níveis de consecução de cada formando.

O perfil de aptidões da turma ou do grupo

  • no final de cada prova é possível obter-se um somatório de consecução de aprendizagens de todos os formandos, por objetivo.

Deste modo, formandos e formador gerem com mais eficácia o seu tempo de formação e escolhem os meios de remediar situações de insucesso.

Topo | Índice

Avaliação sumativa

A avaliação sumativa procede a um balanço das aprendizagens e competências adquiridas no final de um módulo ou unidade de formação.

A avaliação sumativa visa uma seriação e portanto presta-se a uma classificação. Quaisquer que sejam as escalas, a classificação deve ser explicitada aos formandos e discutidas as razões da escolha de determinada escala. Completa-se o ciclo da avaliação.

A avaliação sumativa:

  • Equilibra a avaliação formativa - revela as aprendizagens já consolidadas e as que entretanto não se consumaram;
  • Informa sobre os assuntos ou objetivos mais difíceis de ensinar e aprender para a generalidade dos formandos;
  • Informa sobre o sucesso ou insucesso de certas metodologias;
  • Permite comparar resultados globais de programas de formação aplicados a grupos semelhantes ou diferentes. Avalia a própria formação;
  • É um instrumento de tomada de decisão.

Os testes sumativos incidem sobre um conjunto vasto de objetivos e informam sobre as aprendizagens mais significativas.

A elaboração de um instrumento de avaliação sumativa decorre dos seguintes princípios:

  • Selecção dos objetivos a testar, de modo a testar todos os objetivos ao longo do módulo;
  • Determinação da importãncia relativa de cada objetivo e área de conhecimento, tendo em atenção o seu desenvolvimento nas sessões. O peso da respetiva classificação decorre dessa importãncia;
  • Seleção do tipo de perguntas adequadas para testar o objetivo;
  • Escolha de graus de dificuldade diferentes para os itens e adequada classificação de cada item.

Um instrumento de avaliação sumativa é sempre corrigido pelo formador. O registo numa matriz de todas as classificações do grupo de formação, por item, dará uma visão completa e real do sucesso das atividades de formação. Poder-se-á deste modo avaliar as decisões tomadas e a tomar.

Topo | Índice | A seguir: Instrumentos de avaliação de conhecimentos »