Método Interrogativo

Início / Manual / Métodos e Técnicas Pedagógicas / Método Interrogativo

O método interrogativo consiste num processo de interações verbais, dirigidas pelo formador, normalmente de tipo pergunta-resposta. O objetivo é a descoberta pelo formando dos conceitos ou conhecimentos a memorizar.

Caraterísticas do método interrogativo

O método interrogativo baseia-se no princípio de que se aprende por aprender, mas só se aprende bem o que se compreendeu. Continuamos no campo das pedagogias autoritárias, mas a exigência de eficácia conduz à motivação dos formandos. A interrogação tanto pode ser utilizada na aprendizagem de saber-fazer como na de conceitos.

Aplica-se ao conteúdo de uma exposição ou demonstração. Assumem um papel particular no método interrogativo a competência na elaboração de perguntas, os processos de raciocínio indutivo e ainda o modo como se organiza a aprendizagem por descoberta.

Como aplicar o método interrogativo

A observação espontânea é substituída pela observação planificada e refletida, orientada por uma sequência de perguntas.

As perguntas encadeiam-se por uma ordem lógica e rigorosa, incidindo cada pergunta sobre um ponto preciso.

O interrogatório

Baseia a sua tática na deteção instantânea da realidade da sessão, através de perguntas emitidas pelo formador no sentido de fazer progredir a aquisição de conhecimentos.

A argumentação

A atividade é conduzida pelo formador que determina os objetivos e os temas da argumentação.

Faz uma explicação sumária do conteúdo e proporciona os meios de informação para o estudo do tema ou do problema. Os formandos terão de encontrar argumentos para discutir com o formador.

O diálogo

Nesta modalidade foca-se geralmente um único tema. O formador lança o diálogo desfocando ou escamoteando a problemática ou o conteúdo.

Solicita ao grupo em formação que analise ou dê opiniões sobre o tema exposto. Ao formador cabe formular as questões orientadoras do diálogo.

Mas pode-se permitir um caminho erróneo para a discussão. No entanto, o formador é responsável pela condução do diálogo no sentido duma proposição válida.

O debate

Para a sua planificação deve seguir-se o mesmo processo da modalidade anterior. Mas, a sua aplicação exige como pré-requisito uma formação básica no tema ou temas a debater e também o conhecimento das técnicas de argumentação por parte dos participantes.

Antes de iniciado o debate deve-se nomear um coordenador e um secretário. Estes têm como funções orientar as perguntas e registar as conclusões ou os pontos que permaneçam obscuros.

O formador não deve permitir situações extremadas ou antagónicas. O objectivo central desta técnica é desenvolver capacidades de análise e crítica ou de julgamento de situações.

Tipo de perguntas no método interrogativo

O método interrogativo requer do formador uma grande competência na formulação de perguntas. Analisaremos os diversos tipos de perguntas a utilizar:

  • Perguntas dirigidas à memória - são aquelas que implicam o relembrar de informação específica;
  • Perguntas dirigidas ao raciocínio - são perguntas que levam o formando a pensar e a desenvolver a sua informação;
  • Perguntas criativas - exigem do formando soluções novas e originais, a partir de dados fornecidos anteriormente;
  • Perguntas pessoais - este tipo de perguntas suscita no formando a expressão de opiniões, sentimentos e valores pessoais. Esta classificação de perguntas baseia-se na Taxonomia de Objetivos Educacionais de Bloom. Estão também hierarquizadas por níveis de complexidade de operações cognitivas;
  • Perguntas abertas - são aquelas perguntas cujas respostas se conseguem através de uma elaboração diferente de indivíduo para indivíduo. Podem ter uma ou várias respostas aceitáveis;
  • Perguntas fechadas - são perguntas que apenas têm uma única resposta correta à qual só se chega através de processos mentais semelhantes.

Análise crítica ao método interrogativo

O método interrogativo, desde que não seja utilizado exaustivamente, apresenta como vantagens:

  • Feedback constante do processo ensino-aprendizagem;
  • O controle do processo pelo formador é muito grande;
  • O reforço é positivo (o formando sabe que chega à resposta correcta), mas é contrabalançado pelo risco de o formando se expor ao grupo e ao julgamento do formador;
  • A memorização é facilitada pela reflexão pessoal;
  • Desenvolve capacidades de comunicação verbal e de oralidade;
  • Favorece a participação dos formandos;
  • Cria hábitos de análise e de crítica.

Conserva-se um modelo pedagógico centrado no mestre, muito estruturado e de controle a longo prazo.

A sua utilização requer muito trabalho de preparação por parte do formador e uma elevada competência na técnica das perguntas e muita experiência.

O processo de aprendizagem é mais longo ( >50% ) apesar de as perguntas, se bem aplicadas, evitarem a dispersão do diálogo.

A principal dificuldade resulta da divisão analítica dos temas que o formador vai transmitir e da previsão atempada das dificuldades e dúvidas suscitadas durante o processo. Por isso o formador necessita de ter muita experiência e de trabalhar em equipa para se certificar da eficácia das suas orientações.

Topo da página | Índice do Manual | A seguir » Métodos ativos na formação »